13 de dezembro de 2011

PALAVRAS DA PREFEITA MARIA DO CARMO: SANTARÉM QUER OUTRA CONSULTA

 PREFEITA DISSE QUE JÁ CONTRATOU ADVOGADO PARA ESTUDAR SITUAÇÃO

Não restam dúvidas para a prefeita de Santarém, Maria do Carmo (PT), de que Belém derrubou os 98,8% de anuência da população do município à criação do Estado do Tapajós. "Em quantidade, temos metade dos números dos eleitores de Belém. Pelas regras do Plebiscito, estávamos fadados à derrota desde o início. Hoje (ontem) é um dia de tristeza, de luto para nós", afirmou ela em entrevista por telefone. A petista afirma que durante toda a segunda-feira (12) foi possível ver casas e comércios estampando tarjas pretas em suas fachadas, pessoas vestindo preto. A bandeira do município ficou hasteada pela metade, para confirmar o sentimento da população local. Apesar do resultado desfavorável ao fracionamento do Pará, Maria garante que o sonho da emancipação não acabou.

"Já nos reunimos hoje para discutir de que forma poderemos reapresentar a proposta de divisão, acionamos uma assessoria jurídica para ver de que forma é possível discutir essa situação através de outra metodologia que não o plebiscito. As capitais sempre possuem o maior número de eleitores, portanto, por plebiscito nós nunca conseguiremos mostrar que a divisão é, sim, uma solução para os nossos problemas", explicou. "Hoje há 17 propostas de divisão e criação de novos estados em trâmite. O Plebiscito do Pará sepultou temporariamente não só o nosso sonho, mas outros 17 sonhos. Ou a Constituição proíbe a divisão e a criação de novos estados ou oferece outras alternativas, porque o plebiscito tornará sempre inviável a proposta de separação por questões de proporcionalidade no pleito eleitoral", justificou a prefeita.

Maria do Carmo garante que o estado de luto não muda a rotina de Santarém na prática. "Não podia passar em branco, é uma forma de protesto silencioso. Respeitamos a vontade da maioria, mas não ficamos satisfeitos com o resultado. A opção pela não divisão significa que a maioria quer que tudo fique como está. E nós não queremos isso. Estamos fora dos projetos de desenvolvimento do Estado, e isso é injusto, é desigual. Excluídos nós já nos sentimos há muito tempo. Gostaríamos apenas de oficializar isso com a emancipação e traçar as nossas próprias metodologias de desenvolvimento, sem mais nos colocarmos como meros fornecedores de matéria prima para o resto do País. Já que não se quer dividir, se o Governo do Estado quiser unir as regiões, precisará propor a nós e outros municípios uma forma de trabalhar que não tenha como foco o extrativismo", avisou a prefeita de Santarém. "98% de eleitores querendo a divisão significa que quase três milhões de pessoas estão insatisfeitas. É preciso dar atenção a isso", disparou. 
 
ORM

Nenhum comentário:

Postar um comentário