12 de junho de 2012

PMDB decide: Tapajós é o candidato à prefeitura de Santarém‏

Nome de José Maria Tapajós foi confirmado na tarde desta 2ª feira, após reunião em Belém

José Maria Tapajós
O quadro político que se desenhou nas duas últimas semanas, já apresenta evoluções. Às 16:30 horas da tarde desta segunda-feira, terminou uma reunião que demorou cerca de 4 horas, entre o Senador Jader Barbalho, o deputado estadual Antonio Rocha e, o presidente da Câmara Municipal de Santarém, José Maria Tapajós, Ficou decidido que José Maria Tapajós será o candidato do PMDB à prefeitura de Santarém. O PMDB por entender que não quer desgastes, depois que a imprensa anunciou a possibilidade do deputado Antonio Rocha ser considerado inelegível, tratou de apagar o incêndio, lançando outro candidato para substituir Rocha. Com a definição, foi possível manter o convite para que o PT faça parte da chapa.
Na semana passada as informações que chegaram à redação de O IMPACTO acabaram se confirmando. O deputado Antonio Rocha que se lançou candidato recentemente desistiu de disputar a Prefeitura, para não correr o risco de ser inelegível. É que seu filho, o atual vice-prefeito de Santarém, José Antonio Rocha, assumiu a Prefeitura dentro dos seis meses que antecedem as eleições de 07 de outubro e na condição de filho do deputado Antonio Rocha, acabou inviabilizando a candidatura do pai.
Nesse caso, a Legislação prevê que devido a consanguinidade, José Antônio Rocha ao assumir o cargo, mesmo que interinamente, passou à condição de Prefeito durante o curto espaço de tempo que ficou, na ausência da prefeita Maria do Carmo.
Tapajós está no sexto mandato e, depois de um acordo para não sair do partido, nos últimos dias do prazo de domicílio eleitoral, aceitou permanecer no PMDB, desde que pudesse disputar com Antonio Rocha a vaga de candidato a Prefeito. O tempo passou e Tapajós se sentindo preterido, percebeu que apesar do acordo, ainda havia uma tendência por parte do Deputado de discutir com o PT, a possibilidade de composição, mas na qualidade de vice, da mesma forma que aconteceu na eleição passada quando José Antonio compôs a chapa de Maria do Carmo.
Diante da incerteza até então do PMDB ter candidato próprio, três meses atrás, Tapajós alegando falta de tempo para a campanha, desistiu de disputar com Antonio na convenção. Recentemente em reunião que lançou o nome de Antônio Rocha como pré-candidato, antes dos desdobramentos da inelegibilidade de Rocha, Tapajós demonstrando coesão dentro do partido, anunciou apoio ao nome de Rocha.
Com a desistência do deputado Antonio Rocha, o nome do presidente da Câmara Municipal, José Maria Tapajós, acabou sendo a bola da vez, e se confirmou na reunião que aconteceu no final da manhã e se estendeu até às 16:30 horas desta segunda-feira, em Belém.
Tapajós ao longo de sua trajetória política tem demonstrado habilidade, tanto que durante os seis mandatos como Vereador, já assumiu a presidência da Casa por 4 vezes, uma delas por unanimidade. Ele tem acesso a todos à maioria dos partidos que atuam em Santarém, e ainda pode arregimentar mais partidos para compor a sua aliança, sem descartar ainda a possibilidade de sensibilizar o PT a compor a chapa do PMDB.
Pelo fato de sair candidato, Tapajós não quer deixar a vacância do seu lastro político na vereança, e pretende lançar o nome do seu filho Junior Tapajós que seria estreante na política. Tapajós não quer que pareça privilégio caracterizado como dinastia, e pretende deixar seu filho à vontade para correr atrás dos votos. Além do reduto consolidado do pai na região do Lago Grande, Arapiuns e agora o planalto santareno, Junior Tapajós, por ter sido diretor atuante do São Raimundo, conta também com a torcida do Pantera para se somar aos seus votos.
Tapajós como bom articulador que é, além do PT, pretende correr do prejuízo e manter a coalizão que guindou Maria do Carmo e José Antônio Rocha, e que a duras penas vem se mantendo. Mesmo com todas as benesses de quem faz parte da situação, alguns partidos da base aliada, já anunciaram de maneira tímida que vão ter candidaturas próprias, nem que seja para criar barganha, como normalmente acontece em períodos de formação de alianças.
Fonte: RG 15/O Impacto

Um comentário:

  1. Esse cidadão passou três meses na prefeitura como prefeito e fez um estrago para o funcionalismo público, mudou o horário de 07:00h para as 08:00h, cortou algumas gratificações etc... olho nesse candidato pessoal.

    ResponderExcluir