17 de novembro de 2014

Santarém ganha em dezembro o Centro Municipal de Informação e Educação Ambiental (CIAM)



O Município de Santarém vai ganhar na primeira quinzena deste mês o Centro Municipal de Informação e Educação Ambiental (CIAM). O prefeito Alexandre Von, acompanhado do secretário municipal de Meio Ambiente, Podalyro Neto, visitou as instalações do prédio, que funcionará na Avenida Adriano Pimentel e passa por reforma. O CIAM é um órgão vinculado à SEMMA e visa fortalecer a política ambiental do Município. O projeto de reforma e aparelhamento tecnológico do espaço são de responsabilidade da empresa Cargill Agrícola S/A, como parte do Plano de Medidas Compensatórias do EIA/RIMA da empresa.

 Depois de pronto, o CIAM será um espaço para organizar indicadores ambientais, elaborar o zoneamento ecológico econômico do Município, desenvolver a educação ambiental, fortalecer os instrumentos de planejamento ambiental, além de realizar a gestão do Cadastro Ambiental Rural (CAR), executar o monitoramento e controle do desmatamento e promover a integração do Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental (SIMLAM).
 O CIAM comportará, entre outras estruturas, um auditório de 90 lugares, sala de reunião do Conselho Municipal de Meio Ambiente, sala de treinamento e centro do sensoriamento remoto - o setor de geoprocessamento da SEMMA.
 “No CIAM nós teremos a base da Divisão de Planejamento e Educação Ambiental. O espaço servirá, também, para a capacitação, treinamento e a divulgação da informação ambiental para a sociedade”, explica o titular da SEMMA, Podalyro Neto.
 Base Cartográfica
 No início da tarde, durante reunião na Prefeitura, com a participação do prefeito Alexandre Von, o titular da SEMMA, Podalyro Neto, a empresa Cargill e representantes dos Municípios de Mojuí dos Campos e Belterra, a organização internacional sem fins lucrativos The Nature Conservancy (TNC), parceira de Santarém dentro do Programa Municípios Verdes e na reforma do prédio, anunciou que entregará ainda neste mês toda a base cartográfica do Município e vários equipamentos para ajudar o processo de gestão ambiental.
 “Só para termos uma ideia, a base cartográfica permite que visualizemos com mais propriedade aspectos físicos do Município como hidrografia, ramais, estradas, enfim. Isso ajuda não só a parte do planejamento ambiental, mas no planejamento geral da administração municipal, que envolve infraestrutura, escoamento agrícola, planejamento que ajuda a apontar em que áreas pode-se construir escolas, postos de saúde, etc. Nós estamos recebendo esse instrumento a custo zero”, observa Podalyro Neto.

Canção da comunidade Santos da Boa Fé vence o VIII Festival de música do Planalto Santareno

O VIII Festival da Música do Planalto Santareno encerrou na noite do sábado, 15/11, na comunidade do São Raimundo da Palestina, com apresentações de 12 cantores da região.
Com Melhor Aclamação Popular, o intérprete José Odair que garantiu pela segunda a aclamação. O melhor intérprete foi o cantor Ray Silva e a Melhor Letra foi a canção: Senhor eu te agradeço por teu Amor, de Joice de Oliveira.
Este ano o vencedor da Festival foi Igor Felipe Lima, da comunidade Santos da Boa Fé, com a música Teu Talento. A cantora Adria Nascimento do Tipizal, ficou em 2º lugar e Ray Silva, da comunidade Poço das Antas, garantiu o 3º lugar.
A vice-prefeita, Maria José Maia, parabenizou a organização e o empenho dos comunitários. “A realização do VIII Festival de Música do Planalto Santareno é o resultado do compromisso que assumiram e concretizaram”. Esteve presente também na programação, o vereador e autor do projeto que solicitou a permanência do festival no calendário oficial cultural do município, Marcílio Cabral.
Fonte: PMS

ROSA DE SARON EM SANTARÉM - 04 DE DEZEMBRO

Ações de fiscalização são prioridades no Conselho

Esta semana, o Conselho Regional de Economia (Corecon-Pa) realizou mais quatro novas ações de fiscalização para legalizar empresas e profissionais da área.

A fiscal, Samara Faro, esteve em Ananindeua notificando uma empresa de projetos que vinha atuando ilegalmente no mercado, após esta notificação a empresa terá 15 dias para apresentar sua defesa ou realizar a regularização junto ao Corecon.

O setor de fiscalização realizou ainda o levantamento da lista de economista que estão trabalhando dentro a Prefeitura de Ananindeua, com o intuito de verificar a situação de registro desses profissionais.

Por último, foram feitas a autuação e a notificação de dois profissionais que estavam trabalhando de forma ilegal sem o registro no Corecon-Pa. Eles também terão um prazo de 15 dias para apresentar defesa ou regularizar seus registros.

“As fiscalizações são uma parte importante do trabalho do Conselho, pois são elas que garantem o espaço no mercado de trabalho para os profissionais de economia devidamente regularizados” afirmou Samara.

Fonte: CORECON - PA

16 de novembro de 2014

"País deixou de crescer com a crise na indústria", disse o ex-Ministro, Economista Delfim Neto, em Palestra na ACREFI.

O Presidente do CORECON-SP e da Ordem dos Economistas do Brasil, Manuel Enríquez García, Prof. Manolo, esteve presente ao evento, convidado pela ACREFI (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento)
A crise na indústria é o principal fator por trás da perda de fôlego na economia brasileira, afirmou Antonio Delfim Netto, que entre os anos 1970 e 1980 ocupou os cargos de ministro da Fazenda, da Agricultura e da Secretaria do Planejamento da Presidência. A crise na indústria passa pela redução da participação do setor no comércio internacional e pela utilização do câmbio para substituir a política monetária e fiscal, avaliou.
"Faltou política cambial previsível. Quando controlamos a inflação pelo câmbio, desconstruímos a indústria e a possibilidade de crescer", afirmou, durante palestra promovida pela Acrefi. "Jogamos fora o comércio para o exterior", acrescentou. Desse modo, o consumo passou a ser suprido pela importação. "Temos uma tendência à redução da produção industrial."
Delfim também explicou que o câmbio real, medido em termos de salário, passou a se valorizar de modo significativo a partir de 2007. Ele também questionou o sistema tarifário brasileiro. Para Delfim, o sistema pune os produtores de insumo. "Hoje, o aço é mais protegido que a geladeira", exemplificou.
O ex-ministro concordou que o governo perdeu credibilidade, utilizando financiamentos questionáveis, contabilidade criativa, desarranjando a Petrobras e criando uma desconfiança mútua com os empresários. Ele também reconheceu que os subsídios e desonerações dados à indústria não surtiram os efeitos desejados.
Para Delfim, o desenvolvimento da economia somente retornará quando entendermos o novo momento do Brasil, em que não há mais mão de obra disponível. O ex-ministro sugeriu duas alterações para o governo de Dilma Rousseff: a reforma do ICMS e a aprovação de uma proposta da CUT, que prevê que a negociação entre trabalhador e empregado esteja acima da lei, desde que respeitados todos os direitos constitucionais.
Para a reforma do ICMS, Delfim propõe um prazo de 20 dias para votar. "Já está tudo pronto, não tem mais objeção. A aprovação mudaria as expectativas de modo fundamental", afirmou. "Precisamos devolver ao empresário industrial seu espírito animal", explicou. Espírito animal é termo usado por John Maynard Keynes que está relacionado à confiança. O economista explicou o termo em seu livro A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda como um impulso espontâneo para a ação, em vez da inação. Ele acrescentou que é preciso devolver a certeza ao trabalhador de que terá emprego. "Só isso já ajudaria a voltar a produzir", disse.